Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Artigos que gostei’ Category

Verdade absoluta

O mundo é tão maluco que parece que às vezes precisamos de um esforço incrível pra explicar o obvio.

Hoje em dia a maioria das pessoas parecem realmente acreditar que tudo é relativo e falar em verdade absoluta chega até a ofender.

Por exemplo, se um balão é vermelho isso é um fato, uma verdade absoluta. Não importa se você só enxerga em preto e branco, ele é vermelho. Não importa se você nem olha pro balão, ele continua sendo vermelho.  Não importa também que você argumente se o balão é azul ou verde, se você acredita ou não, o balão vai continuar sendo vermelho.

Verdade absoluta é algo tão simples que chega a complicar.

É exatamente este o exemplo no vídeo abaixo:

Observe como as pessoas ao redor da garota reagem, uma delas argumenta que a mãe ensinou que o balão é azul. O outro argumenta que estudou cores no colégio e por isso o balão é verde. Acontece que a verdade absoluta não depende da educação familiar ou formal que tivemos, ela é um fato. No caso o balão vai continuar sendo vermelho.

Nossas opiniões são variadas e nem sempre podemos saber se estamos certos ou errados, mas isso não quer dizer que a verdade é relativa (ou em outras palavras que tudo pode ser verdade).

Não existe essa história de que algo é verdade pra mim e não é verdade pra você, o que existe  são duas opiniões diferentes, e as duas podem ser verdade ou não.

“Falai a verdade cada um com o seu próximo; executai juízo de verdade e de paz nas vossas portas.” (Zacarias 8:16)

Read Full Post »

Os vídeos abaixo são a refutação feita por Craig do argumento usado por Richard Dawkins em seu livro “Deus, um delírio”.

Segundo Dawkins o argumento da  improbabilidade comumente usada pelos adeptos do Design Inteligente pode ser usado contra eles porque cria um novo problema “quem projetou o projetista?”

Seguem os vídeos.

Vi neste blog, que recomendo: http://neoateismodelirio.wordpress.com

“Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor”. (Romanos 8:38-39)

Leia também:

Coisas que não acredito (e o que acredito)

Aqulo que Jesus não é

A Verdade

Read Full Post »

Putz, gosto dessas coisas que diz a verdade respeitando as nossas origens!

“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”. (Isaías 9:6)

Read Full Post »

Tava faltando uma seção de “Cremos” por aqui. Então agora lá vai.

Texto da Sara 8:) postado no perfil dela no irmãos.com. Fala por mim…

E a turma do “respeite a fé alheia” eu digo: respeite a fé alheia (no caso a nossa), não leve a ferro e fogo, é um texto irônico que resume o que acreditamos (ou não).

“Não acredito em gnomos, fadas, sapos falantes e quaisquer outros seres místicos das florestas.

Não acredito em reencarnação (como é que alguém pode se desenvolver se não lembra da tal vida passada? O que é que eu ganho vindo ao mundo em forma de poodle?!).

Não acredito em santos intercessores (pedir pra gente morta pedir pra Deus por mim?! To fora! Eu to vivinha e tenho acesso a Ele através de Jesus).

Não conseguiria viver em um lugar onde fosse exigido o uso de burca para as mulheres e os homens fossem incitados a andarem com um cinto de bombas (sem contar o lance das 70 virgens no céu. E os 70 virgens? Não tem?!).

Não acredito em horóscopo (Plutão que o diga). Maria não morreu virgem. Gandhi era apenas um bom homem (e não um homem bom).

Não acredito em não acreditar em nada (“pluft!” e a Terra surgiu? Não levem a mal não, mas é preciso ter mais fé para crer nisso do que aceitar que um ser Supremo criou tudo).

Não acredito que a auto-flagelação leva alguém pro céu (Jesus já foi moído demais por nós). Não acredito que hábitos e “modus operandis” salvam alguém (aliás, estaria lascada se tivesse que fazer trocentos rituais).

Acredito em vida eterna, subdividida em danação total (o inferno [acho que lá deve ser cheio de moscas {sim, acho que moscas são seres infernais}]) e algo supimpamente supimpante (o Céu [lá definitivamente não deve ter moscas]).

Creio que Deus é Pai, Filho e Espírito Santo (sim, tudo em um só. Como? Oras, se um computador pode ter várias funções e mesmo assim ser um, pq Deus não pode?).

Creio que Jesus é o Filho de Deus, que aceitou se achincalhado porque ele tem um amor tããão profundo, mas tããão profundo que eu não consigo entender. Acredito que só através do arrependimento, confissão e perdão de pecados chegaremos ao Céu.

Acredito também que cada um é livre para crer no que bem entender (se Deus não criou robôs, quem sou eu para querer que as pessoas sejam assim?). Acredito também que o fato de cada um achar que está certo, não significa que isso seja verdade.”

“Mas cremos que somos salvos pela graça do Senhor Jesus.” (Atos 15:11)

Read Full Post »

As mal-aventuranças

Este texto é de autoria de Éverton Vidal publicado no blog Lion of  Zion.

Gostei tanto que pedi pra copiar e colar pra cá:

Mal-aventurados os arrogantes, porque deles é o reino da injustiça.
.
Mal-aventurados os que afligem, pois ficarão sem ter a quem afligir.
.
Mal-aventurados os opressores, pois ficarão sem terra para suas ambições.
.
Mal-aventurados os que têm fome e sede de injustiça, pois ficarão sem ter o que comer e beber.
.
Mal-aventurados os que odeiam a misericórdia, pois ela reinará e eles não poderão fazer nada contra isso.
.
Mal-aventurados os impuros de coração, pois permanecerão sem ver a Deus.
.
Mal-aventurados os que lutam contra a paz, pois por serem diabos, não compreendem o significado de ser filho de Deus.
.
Mal-aventurados os que gastaram suas vidas praticando injustiças, pois serão eternamente lembrados por isso.
.
Mal-aventurados os atormentadores e perseguidores dos profetas e amantes do Reino do Amor, pois serão atormentados pela inutilidade de suas existências.
.
Abraços.
Inté!

“Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus.” (Mateus 5:9)

Read Full Post »

Por muitas vezes tenho ouvido que Jesus Cristo era essênio. Os essênios eram uma seita judaica que viveu na época de Cristo, viviam isolados nas montanhas, não se envolviam na vida do povo comum. Provavelmente por isso nem são citados nos evangelhos.

Devido a algumas coincidências e ensinamentos em comum muita gente insiste em dizer que Jesus era um adepto desta facção. Para investigar isso fiz uma breve pesquisa que mostro abaixo. Por ela concluo que os ensinamentos, o modo de vida, e todo o ministério de Jesus era muito diferente do que ensinavam os essênios e portanto, muito provavelmente, Jesus não era essênio.

Porque Jesus não era essênio:

1. Os essênios eram monásticos, ascéticos e puritanos. Jesus comia carne, provavelmente bebia vinho (ou não era contrário que se bebesse), e se associava a prostitutas, publicanos e pecadores em geral.

2. Os essênios eram abertos apenas a homens adultos. Jesus aceitava em seu ministério também mulheres e crianças.

3. Os essênios rejeitavam todas as outras formas de judaísmo e não adoravam em templos ou sinagogas. Jesus ensinou seus discípulos que eles podiam ouvir os ensinamentos dos fariseus desde que não fossem hipócritas como eles, e freqüentemente ministrava e adorava no templo e nas sinagogas.

4. Os essênios eram tão aplicados na observância de costumes que se recusavam até a usar o banheiro aos sábados. Jesus Cristo se opunha a esse tipo de costume, chamando inclusive a atenção dos fariseus, curou no sábado, permitia que os discípulos colhessem grãos pra comer nos sábados.

5. Os essênios viviam reclusos enquanto Jesus andava por toda a parte e falava com todas as pessoas. Os essênios só eram aceitos após um árduo e longo processo de iniciação em que precisavam demonstrar piedade. Jesus aceitava qualquer pessoa que quisesse seguí-Lo e os chamava de discípulos.

6. Os essênios rejeitavam ser ungidos com óleo, Jesus permitiu que Maria Madalena o fizesse.

7. Os essênios baseavam a sua vida em viver pela moral, ética e a lei. Jesus enfatizava o viver pela fé.

8. Os essênios se organizavam numa hierarquia rígida. Jesus Cristo ensinou que o maior deve servir o menor, que os primeiros seriam últimos, que os últimos seriam primeiros.

9. Os essênios tinham um conceito muito elevado sobre si mesmos. Acreditavam que eram os únicos certos e que qualquer outro eram apóstatas e hereges. Jesus sempre primou pela mansidão e humildade a ponto de apesar de ser, não se considerou ser igual a Deus.

10. Tal qual os fariseus, os essênios desprezavam as pessoas comuns justamente por não considerá-las suficientemente piedosas e justas. E era justamente estas pessoas o alvo dos três anos de ministério de Cristo.

Concluindo:

Se Jesus fosse essênio  com certeza seria expulso da ordem logo no primeiro milagre quando, participando de uma festa com gente “impura”, transformou água em vinho.

Creio que os pontos de conflito entre Jesus e os essênios pesam muito mais que os que supostamente coincidem, porque os que coincidem podem ser coincidência ou no melhor dos casos influência, os que contrastam demonstram o que Jesus realmente ensinava e fazia, se eram incompatíveis então não dá pra dizer que são a mesma coisa.

Fontes:

http://healtheland.wordpress.com/2007/09/01/jesus-christ-was-not-an-essene/

http://pt.wikipedia.org/wiki/Essênios

“Não rogo que os tires do mundo, mas que os guardes do Maligno. ” (João 17:15)

Read Full Post »

Onde? Em aldeias indígenas.

Os pais concordam? Na maioria das vezes não e não ter a quem recorrer porque a tribo os pressiona para que continuem.

Alguns se suicidam para não terem que matar seus filhos que poderiam receber tratamento na maioria dos casos e serem curados ou passarem por reabilitação, no caso das deficiências.

Mas ainda há uma luz. Uma ONG CRISTÃ, chamada ATINI ( http://vozpelavida.blogspot.com) tem trabalhado contra isso e a favor da vida.

Porém, muitos brasileiros tratam os índios como “seres-não-humanos”, para os quais os direitos humanos não se aplicam e mais, que o infanticídio deve ser preservado enquanto prática cultural.

Mas onde ficam os direitos das crianças? Onde ficam os direitos dos pais? Onde fica o direito de uma cultura se transformar?

E você com isso?

Nós podemos fazer algo mesmo que seja pequeno…. escrever!!

Há uma lei para ser votada… porém, a relatora Deputada Janete Pietá não quer se manifestar.
Mas nós podemos fazer algo e que não vai custar nada, além de 2 minutos. A lei é o Projeto de Lei 1057 – lei Muwaji (em homenagem à mãe de Ignani, uma linda indiazinha portadora de paralisia cerebral).

1) Escrever para a deputada colocando nossa aprovação ao projeto e solicitando que o mesmo seja colocado para votação no plenário. dep.janeterochapieta@camara.gov.br

2) Escrever para câmara dos deputados. http://www2.camara.gov.br/canalinteracao/ouvidoria

Que vocês não durmam sem pensar no choro de crianças sendo enterradas vivas…. e que façam algo, porque são inocentes morrendo em nosso país!!! Isso não é diversidade cultural, é assassinato!!!

Texto postado no Orkut pela Thaty, aqui.

Visite também: www.hakani.org e saiba sobre o documentário relatando a questão do infanticídio.

Abaixo, veja entrevista com Márcia Suzuki:

“Deixai vir a mim as crianças, e não as impeçais, porque de tais é o reino de Deus.” (Marcos 10:14)

Read Full Post »

Older Posts »